segunda-feira, 11 de novembro de 2013

1276 - Soneto escadamente supersticioso

E aí, passa ou não passa?

Passar debaixo de escada? Nem morta!
Não sabe que o triângulo forma o portal,
Por ele pode passar uma espécie de mal,
A escada escorada é como abrir a porta

Para vir do submundo a sua forma torta.
A escada é o tipo mais inocente de aval
Para que os diabos, numa tropa infernal,
Façam casa cá. A escada o ruim importa!

Dá pra acreditar? Eu sei que não, mas vá...
Imagina que debaixo de algum pintor lá
Em cima passe a capetada a fazer festa,

Dar azar por atravessar a simples escada,
Mas se dá azar, talvez a mesma capetada
Seja supersticiosa e não passa pela fresta.

Francisco Libânio,
09/11/13, 12:41 PM
Postar um comentário