quinta-feira, 24 de abril de 2014

1626 - Soneto de rima óbvia

Ela na janela. Poesia em imagem!

Quis pegar uma palavra: Janela.
Procurou algo que como amor
Rimasse, algo tipo Amor e Flor,
E o máximo que acho foi “Ela”.

A rima era pobre, mas era bela,
Podia ser rasteira, mas o valor
De sua poesia valeria essa dor
De ser poeta. E pra matar: Sela!

Lógica nenhuma, mas a poesia
Ia saindo e aí emendou Alegria
Para fazer seu verso valer algo.

Mas “Algo”, rima demais foda,
Um palavrão rebateu sua moda
E acabou se achando o fidalgo.

Francisco Libânio,
16/04/14, 12:07 PM
Postar um comentário