sexta-feira, 11 de abril de 2014

1600 - Soneto do cachorro

A gente podia resolver isso sem ninguém ser ofendido, não acha?

O cachorro ficava em dúvida cruel
Como podia ser um melhor amigo
Enquanto esse amigo, por castigo,
Por ofensa pesada e sem ter mel

Chamava de cachorro pondo fel
No nome desde um leve inimigo
Até um desafeto do mais antigo.
Logo o cachorro, o parceiro fiel,

Companheiro de guardar a casa,
Agora vai virar uma ofensa rasa?
Muito melhor seria ser ele sócio

Do que xinga, falar quem é o tal
Que levará o nome, contar o mal
E uma mordida resolve o negócio.

Francisco Libânio,
07/04/14, 7:28 PM
Postar um comentário