quinta-feira, 10 de abril de 2014

1597 - Soneto do porquinho-da-índia

Não sou  porco, não sou indiano, não sou namorada de ninguém. Me deixem!

O porquinho-da-índia, que esquisito,
Nem vinha da Índia e nem era suíno.
Marca fantasia de engano, desatino,
Mas assim estava seu nome escrito

Mudar era inútil, diria quase proscrito.
Biologia e geografia em erro cretino!
Em vez de hindu, o bicho era andino
E era um roedor, um rato mais bonito,

Não um porco de rabinho enrolado.
Mas o nome pegou, fica esse fado
De ser o que não é, grande bobeira.

Pior ainda era ser visto, por quem lia,
Namorada, mesmo que numa poesia,
Ainda que fosse do Manuel Bandeira.

Francisco Libânio,
06/04/14, 7:32 PM
Postar um comentário