quarta-feira, 16 de abril de 2014

1610 - Soneto sobre a leitura íntima

E deixa acontecer...

Pode parecer, talvez seja, estranho,
Mas ao invés de ver mulher pelada
No banheiro, o poeta, ao dar agada,
Leva um livro e o lê com o assanho

Que teria se fosse ali um arreganho
Feminino. Ele adora a fotografada,
Mas xanas são iguais. Seja raspada,
Seja peluda, varia-se lá o tamanho...

Um livro guarda uma coisa diferente,
Uma poesia boa, o conto envolvente
Para anteceder o banho, o novo dia,

Ou para inspirar a hora do desafogo,
E se o livro for bom, nunca seja logo
O desapego. Que venha a disenteria.

Francisco Libânio,
11/04/14, 10:00 AM
Postar um comentário