domingo, 20 de abril de 2014

1618 - Soneto áureo

Pronto, acabou a escravidão. Agora se vira.

Princesa Isabel decretou: É oficial!
Acabou a escravatura nessa terra!
Senhor, fazendeiro, a elite se ferra,
Agora os negros serão livres e tal...

O Brasil é o último a banir esse mal.
Mas ao tempo que livra a lei emperra.
A liberdade vez que a princesa erra
Em só dizer: Vocês são livres! Tchau!

Tinha que dar a liberdade e os meios
Para ser livre. Só ficaram os floreios,
A data, mas para garantir o sustento,

O negro se sujeitou à semiescravidão,
Depois ao preconceito e à exclusão,
Livre, mas com igual ou pior sofrimento.

Francisco Libânio,
13/04/14, 7:10 PM
Postar um comentário