sexta-feira, 4 de abril de 2014

1585 - Soneto do dromedário

Camelo é a mãe!

O dromedário não se importava
Em ser, pelos desertos, o navio,
Em ser essencial naquele fastio
Seco que o areial proporcionava.

Se era ele que a natureza dava
A beduínos para viver no vazio,
Tudo bem, ele bebia bem um rio
E durante dias ele se aguentava.

Era útil, melhor que um cavalo,
Forte como um touro, o regalo
Perfeito para viver esse flagelo

Que é o deserto. O que o fazia
Perder a paz era essa má mania
De ter dromedário como camelo.

Francisco Libânio,
02/04/14, 9:29 AM
Postar um comentário