quinta-feira, 17 de abril de 2014

1612 - Soneto com falta de comunicação

Faltou notar a outra linguagem.

Passou por mim com um sorriso
Convidativo, achei que ela queria.
Mas fiquei na dúvida. Ia, não ia?
Procurei a ver algo mais preciso,

Um indício, um traço, um aviso.
Nada. Temi usar muita ousadia.
Se usasse e fosse à sua revelia,
Como disfarçar? Meu improviso

É ruim, pior que minha percepção.
Deixei estar, ela se foi e a atração
Que aí houvesse em nada resultou.

É que eu entendo melhor a fala,
Não saquei. O Destino não regala
Quando ela sutilmente me rebolou.

Francisco Libânio,
11/04/14, 7:06 PM
Postar um comentário