sexta-feira, 4 de abril de 2014

1586 - Soneto do camelo

Duas bolas nas costas, é? Vamos ver quem aguenta mais.

O camelo aguentava sempre a piada
De ter duas bolas em cima das costas.
Essas suas corcovas que, opostas
A suas patas, eram motivo de risada.

Davam ao camelo coisa desajeitada,
Se o viam, riam e faziam as apostas:
Quando ele cai? As gozações postas,
O camelo seguia bravo sua jornada

Sem cair e até com alguma elegância.
As corcovas tinham tal extravagância,
É verdade, mas graças às corcovas

O camelo passava bem a abstinência
De água que, armazenada com eficiência,
Fazia da sede a mais leve das provas.

Francisco Libânio,
02/04/14, 12:37 PM
Postar um comentário