sábado, 22 de fevereiro de 2014

1507 - soneto da girafa

Eu, me preocupar?

A girafa comia dos arvoredos
Só as folhas altas e, altaneira,
Sobrevivia à incansável zoeira
Dos baixinhos, os arremedos

Dos chatos que, tão azedos
Em comer a refeição rasteira,
Desejavam a ela a caganeira
Pior. A girafa, sem ter medos,

Seguia comendo em boa paz,
Não olhava pra baixo, pra trás
Nem pro lado e, sem desacato,

Se a enchiam demais, a girafa,
Lembrava o desejo sem estafa
E cagava na cabeça do chato.

Francisco Libânio,
18/02/14, 12:09 PM
Postar um comentário