quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

1471 - Soneto com fome depois do almoço

Só pra enganar o estômago...

Após o almoço, uma lauta refeição,
Em família, o churrasco caprichado,
Praticamente de estômago forrado,
Tudo que viria de bom, um colchão,

A sesta para acalmar a inquietação
Estomacal, mas há algo de errado.
O estômago, estando superlotado,
Não matou a fome que, de tentação,

Induz a uma visitinha à geladeira
Para uma prática sutil e sorrateira
De beliscar a delícia que apareça.

Fome essa sem hora nem espaço,
Manda fazer bobagem e eu a faço
Já satisfeito, como mais e à beça.

Francisco Libânio,
02/02/14, 2:14 PM
Postar um comentário