segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

1481 - Soneto com eu masculino

é mais pra foto, moçada.

Um homem que é homem, e macho,
Não pensa duas vezes, cai matando,
Vai pra cima sem porquê ou quando
Atrás de uma foda, um pega, cacho

Que beba a libido, sossegue o facho
E ao reunir com outros em seu bando
Recita com orgulho cada memorando
E compara com tamanho cambalacho

Se por acaso ouve que seu despojo
Foi de outro macho. Mede-se arrojo,
Atuação e vagabunda fica a parceira

Que deu pra dois. Quer exclusividade!
A turma solidariza, só que, na verdade,
Ninguém comeu, ficou papo e besteira.

Francisco Libânio,
07/02/14, 1:19 PM
Postar um comentário