quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

1488 - Soneto com desinteresse

Sério que você não gostou? Que pena, hein?

Não, não quero nada, somente
Nada. Talvez este meu soneto
Seja um desleixado completo
Sem querer nada e realmente

Não está nem aí e é coerente
Ao se espraiar neste quarteto
Olhando o leitor, aqui e quieto,
A esperar ler algo contendente

Que não vem. Oras, seu azar!
Esse soneto não veio ensinar,
Veio só encher espaço e papel.

O poeta, a quem o leitor pede
Solução, está de boa na rede
E é do soneto o escudeiro fiel.

Francisco Libânio,
10/02/14, 12:24 PM
Postar um comentário