sábado, 15 de fevereiro de 2014

1493 - Soneto com desespero

 
O tal Jó conseguiu absorver tudo.

Porque quando some paciência,
Aparece rápido dona Ansiedade
Dando o ar da graça à vontade
E sendo chata com experiência.

O problema é que na ausência
Dela, ao querermos vacuidade,
Não acontece. Aí a extremidade
Máxima surge sem clemência.

A pessoa se estertora, a espera
Sufoca. Admite-se. Jó foi a fera
E aguentou quietinho a porrada.

Já eu não sou Jó e esse soneto
É um Prozac pra me pôr quieto
E afogar essa espera angustiada.

Francisco Libânio,
13/02/14, 8:44 AM
Postar um comentário