quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

779 - Soneto que ama uma mulher índia

Uma princesa genuinamente brasileira.

O sonho do sujeito, após ler o Alencar,
Era encontrar sua musa, sua Iracema.
Queria a beleza nativa, beleza suprema,
Brasileira, genuína com tanga e cocar.

Há, sim, beleza na silvícola. Há um ar
Ingênuo e sem maldade no emblema
Brasilianista que fora outrora um tema
Na literatura, nas artes, mas sem lugar

Nos dias de hoje. Mas ele deu a sorte
De encontrar sua deusa lá pelo Norte
Não nua e selvagem como havia lido.

Ele ficou por lá, com ela e muito feliz.
Rindo do perfeito trouxa que só maldiz
Os índios. Perde ele um grande partido.

Francisco Libânio,
28/02/13, 9:03 AM
Postar um comentário