domingo, 24 de fevereiro de 2013

768 - Soneto que ama uma mulher religiosa

Linda e de bom coração só pra mimA Bíblia na mão e um versículo bem posto
Para ocasião que o valha. Ela é bem dessa,
Linda, mas tem lá sua fé firme e a professa
Com fervor enquanto eu, seu total oposto,

Ouço, aprendo. Há serenidade em seu rosto,
Uma paz amena, mas a vontade pregressa
Ela tenta esconder, mas sempre a confessa
E admite que isso contraria seu sacro gosto,

Como conviver entre o sagrado que prega
E o calor mundano que às vezes lhe chega
Induzindo para o desejo que não se deve

E para o pecado do qual tenta sempre fugir,
Mas cede. E amamos. Deixamos tudo fluir
E após o ápice, ela me beija bem mais leve.

Francisco Libânio,
24/02/13, 11:53 AM.

Postar um comentário