segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

757 - Soneto melindrado

Escreve, escreve, escreve...

De tanto ler meus sonetos já acho
Que ou já estou repetitivo demais
Em minha lira de versinhos banais
E por isso melhor aquietar o facho;

Ou, realmente, no íntimo me racho.
Nunca fui poeta. Não escrevo mais!
Poesia é coisa para bons intelectuais
E o que faço é arremedo, é escracho

De sonetos de verdade. Ceci n´est pas
Un sonnet! O melhor é deixar pra lá
E também não querer cagar francês.

Mas meu soneto, esse bicho safado,
Não está nem aí. Fica já soneteado,
Pois sabe que eu não perderei a vez.

Francisco Libânio,
18/02/13, 1:04 PM
Postar um comentário