segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

758 - Soneto floreado

Para muitos, floreio parece árabe. É bonito, mas não entende lhufas.

A palavra bonita é só palavra bonita,
A frase retórica é unicamente retórica
E não faz da escrita mais categórica
Nem a poesia, por isso, bem escrita.

O rebuscamento e a grande, infinita
Busca pela linguagem ora metafórica
Ora erudita reforça a farsa alegórica
Do escritor. Enquanto ele lá exorbita

Em seus rodeios barrocos e rococós,
O verso se enrosca nos próprios nós
E fica escrito tudo, mas não diz nada.

Prefiro o direto ao ponto, peito aberto,
O claro e o cristalino quando disserto
Findo o floreio e a poesia é encerrada.

Francisco Libânio,
18/02/13, 7:53 PM

Postar um comentário