domingo, 24 de fevereiro de 2013

769 - Soneto que ama uma mulher mais velha

Ela me ensina muito. Eu adoro!

Vai rolar aquela incompatibilidade!
Disse-me um que tomou um susto
E acreditou depois de muito custo
Ao ouvir, da minha gata, sua idade.

Terão em alguma hora adversidade
Com esse diferencial todo robusto,
Não vejo por certo e nem vejo justo
Esse namoro discrepante. Verdade.

São anos que nos separam. É nota
A quem nos vir juntos e a chacota
Certa dos que tiverem isso por feio.

Dane-se. Eu novo, mas até maduro,
E ela, alma jovem, daremos auguro
Mandando os seus pra escanteio.

Francisco Libânio,
24/02/13, 6:12 PM
Postar um comentário