sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

1462 - Soneto com carinho

E você quer me convencer que não está interessado no meu decote? Conta outra.

Falar de amor quando o tesão
Sobressai pode soar falsidade.
Às vezes, falamos a verdade
E ela já vem com interpretação.

Um poema amoroso de ocasião
É lido com pezinho na maldade,
O outro tem alguma boa vontade,
Mas vê malícia e dá bom pisão

No pé ao invés do beijo querido.
O soneto só se lê subentendido
E o amor vira putaria já no verso

De saída. O carinho é sacanagem
Para a mulher que vê na imagem
Do coração uma bunda no inverso.

Francisco Libânio,
30/01/14, 8:04 AM
Postar um comentário