quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

1446 - Soneto de implicância

Você é chato, feio e bobo, mas eu sou mais. Só não admito.

Com fala cheia de superioridade,
Dizia ser o tipo de pessoa genial,
Além de se crer ter postura ideal
Dos habitueés da alta sociedade.

Tinha? Não, pra dizer a verdade.
Mas tinha deles o quê imperial
E monarca desse estrato social
Que não era o seu e a maldade

Que todos têm sem ver a posse.
E seria pior ser realmente fosse
A pessoa rica. Seria insuportável.

Um séquito que, dia a dia menor,
Esteve ausente no último andor
Com ele frio, mas todo irretocável.

Francisco Libânio,
22/01/14, 8:34 AM
Postar um comentário