quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

1401 - soneto das sete ondas

E que venha o ano e sem os malas.

Sete ondas e o que muda? Nada
Flores ao mar e... ? Porra nenhuma.
A ramalhetada toda só avoluma
A poluição e a praia desarrumada.

Mas a superstição tão arraigada
Pode não se realizar, mas perfuma
A vida e que não dê. Já alguma
Simpatia se verificou lá realizada?

Iemanjá recebe de boa a oferenda
E pode ser que tudo isso ofenda
Os doentes em correição, crentes,

Ambientalistas e chatos em geral,
Azar deles e desse humor boçal,
Afoguem-se e seguirão indiferentes.

Francisco Libânio,
01/01/14, 8:40 PM
Postar um comentário