sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

1419 - Soneto do bom almoço

Vai muito bem.

O dia de trabalho é puxado,
A manhã é daquelas feias,
Das que a jornada dá peias
E o negócio é bem celerado.

Mas soa o gongo, o agrado,
A fome correndo nas veias
E, querendo barrigas cheias,
Um prato é sempre azado.

O feijão com arroz cotidiano
Ou o prato do chef veterano
O que vier se traça e já some.

Na verdade, após essa labuta
Não há um sábio que refuta
Ser o melhor tempero a fome.

Francisco Libânio,
10/01/14, 11:55 AM
Postar um comentário