quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

1414 - Soneto de uma sentada 1

Se prepara que vamos te macular!

Encara a folha em branco e parte
Para ela com fúria e com escrita!
Cada verso é um pedaço de brita,
Cada risco vale uma obra de arte,

Mas a folha pede para si o aparte.
Não gosta de algo e então grita,
Preferia a sua alvura tão irrestrita,
Achava-se da pureza o baluarte.

O poeta, que com o alvo não dá
Combinação, prefere deixar pra lá
E enche a folha com indiscrições.

O soneto se faz e a folha se cora,
Quer matar o poeta que a deflora
Sem romantismo, com palavrões!

Francisco Libânio,
08/01/14, 10:31 AM
Postar um comentário