sábado, 25 de janeiro de 2014

1450 - Soneto com discordância

E ainda me chama de amigo da ditadura!

Aí você pensa A e sujeito diz B
E você quer a sadia discussão,
Arruma toda sua argumentação
E o outro diz que você não vê,

Não entende nem quer, não lê;
Você nota com tal estupefação
Que o sujeito quer te dar lição,
Pois o grande estúpido é você

Se não for coisa pior, leniente
Com o erro e, pior, conivente
Com a situação e tal baixaria.

Você o xinga e vem o melhor,
Ele te alcunha como o ditador
Que reprime a boa democracia.

Francisco Libânio,
25/01/14, 9:35 AM
Postar um comentário