quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

1433 - Soneto com pouco recurso

Augusto dos Anjos, um poeta de recursos infindos.

Querer do poeta uma rima rica
Quando o dinheiro dele é curto
É mais que absurdo, é o surto
Dos que não soneteiam nadica

E ficam a fim do que sofistica,
Mas quanto à rima, não me furto
A fazê-la correta e até encurto
Um verso que a torto metrifica,

Mas a rima, seja rica ou pobre,
Ela eu faço que aqui se dobre
E rime sem qualquer distinção

De estrato poético nem social,
Não fica clássico ou tão legal,
Mas a rima faço com precisão.

Francisco Libânio,
15/01/14, 7:48 PM
Postar um comentário