terça-feira, 21 de janeiro de 2014

1442 - Soneto com ilusão

Até eu que sou mais bobo!

Esperar da vida o que ela pode dar
Faz bem, pois então que ela me dê
Mulheres gostosas em cabine privê
E banheira de espuma para transar

Com uma por vez ou talvez em par.
Sessão que comece com a matinê,
Às oito horas e depois ninguém vê
Mais relógio, sexo sem dia a acabar.

Depois dessa putaria maravilhosa,
Todas na cama, é a parte dengosa,
E eu recebendo carinho e cuidado.

Que a vida me dê isso e agradeço.
Mas a olhar o que quero e mereço,
Melhor que eu espere isso sentado.

Francisco Libânio,
20/01/14, 10:34 AM
Postar um comentário