segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

1454 - Soneto com ideia maluca

Graças aos céus, eu não sou assim.

E se eu resolvesse encher a cara?
Ser o bêbado que não fui ou quis
Bebendo em fúria todos os barris
Sem ter motivo, apenas pela clara

Vontade de beber, caindo em rara
Situação de coma e depois um bis,
Um tris, ser apenas o bêbado feliz
Que, sem ter alguma culpa, dispara

Copos e copos atrás da embriaguez.
Poderia fazê-lo, basta chegar a vez
E pôr esse meu fígado para trabalhar.

Volto ao meu centro, que maluquice!
Não vou beber. Basta a fanfarronice
De escrever sóbrio. Nada ia prestar!

Francisco Libânio,
26/01/14, 9:50 PM
Postar um comentário