sábado, 17 de agosto de 2013

1195 - Soneto divorciante

Não cabe na boca. Espalha nos outros.

Por outro lado, tem a jararaca,
Aquela que a língua tem o fio
Sempre em dia e nada arredio
E sempre a bater uma estaca

No casal que agora se atraca
Pra briga e antes fazia no cio,
No desejo e agora um desvio
Pôs o casamento numa maca.

Só que com um casal o feitiço
Virou contra a jararaca. O viço
Deles rebateu todo o recalque

Da outra e apareceu quem era
A linguaruda e aí a besta-fera
Apanhou por cada desfalque.

Francisco Libânio,
17/08/13, 5:37 PM
Postar um comentário