terça-feira, 13 de agosto de 2013

1182 - Soneto dilemadinho

Há malícia e doçura... Tipo meus poemas.

Tento ser Mattoso, mas me falta
Certa sujeira e muita pornografia,
Sobra ilusão e excede a fantasia
Que no soneto, às vezes, se exalta.

E aí, essa coisa um tanto peralta
Um tanto tímida muito se extasia.
É um recato que quando malicia
Sem proteção alguma vai e salta.

Pra onde essa tentativa mattosiana
De ser ora fescenino ora doidivana
Vai? Para um infinito tão completo

Que malícia e recato são a mistura
Perfeita. O poeta vive ali sua agrura
Até desfiar toda ela noutro soneto.

Francisco Libânio,
13/08/13, 9:36 AM
Postar um comentário