quinta-feira, 15 de agosto de 2013

1189 - Soneto sujado

Foi o que deu pra fazer...

Meu soneto demais meloso,
Tento-o fazer algo pervertido,
Fescenino e tirar esse puído
Para fazê-lo ser mais jocoso.

O problema é o espírito cioso,
Cuidado ao ofender e rendido
Ao lírico e sem o lado bandido
E dionisíaco voltado ao gozo.

Saio dessa seara dois passos
E pareço temer os devassos
Mais do que desejar imitá-los.

E para deixar meu soneto sujo,
Cubro-o de lama e o garatujo
Em breves, mas insanos abalos.

Francisco Libânio,
15/08/13, 12:34 PM
Postar um comentário