quarta-feira, 31 de julho de 2013

1155 - Soneto não gozado

Não rolou nada aqui hoje.

O poeta, na sua solteirice,
Dela não se envergonha
Ainda que difícil se ponha
Por mais que tudo o atice.

A mulher com a meiguice
Pueril ou a sem vergonha
A abrir pernas e ele sonha
E faz com que tudo se ice,

Se arme e deixe o desejo
Falar alto, mas vai ao brejo
Tudo. Fica só o entusiasmo.

O poeta fica sem presente,
Sem presentear e ausente
Nesse tal dia do orgasmo.

Francisco Libânio,
31/07/13, 6:24 PM
Postar um comentário