quinta-feira, 4 de julho de 2013

1101 - Soneto insalubre

Vem de cara feia que te faço um soneto horrível!

Meu verso fala com autoridade
Do que me dói e me desagrada.
E ao falar de forma desbragada,
A coisa conta certa dificuldade.

E quando mando reto a verdade,
Ou o soneto dá aquela travada
Ou o “assunto” vem de porrada.
Não quer no papel a visibilidade

Que o soneto o dá! Eu o mando
À merda. O soneto sairá quando
E como eu quiser e não se mete,

Pois o tema pode ser cabeludo,
Mas no soneto aqui caberá tudo.
Foda-se se algo me compromete.

Francisco Libânio,
04/07/13, 1:01 PM
Postar um comentário