sexta-feira, 26 de julho de 2013

1144 - Soneto recém-namorado

Tudo é divino, maravilhoso... No começo.

Conheceram-se e rolou o lance;
Pintou o clima e o compromisso
Foi firmado e um quê submisso
Meio que tira a coisa do alcance

Do ponderável. O ar de romance
Do casal o deixa assim omisso,
Mas faz transparecer todo o viço
Até que tudo se ajeite ou canse.

O par que há pouco fez namoro
É bonito, esperançoso e sonoro
E faz até acreditar que, sim, amor

Tem existência outra vez provada,
Mas deixa pintar uma derrapada
E tudo que era antes perde valor.

Francisco Libânio,
26/07/13, 12: 45 PM
Postar um comentário