sexta-feira, 12 de julho de 2013

1118 - Soneto para uma deusa normal

Gata que se acha aos milhares todos os dias. Melhor que muita übbermodel

Ela não era a gostosa da televisão,
Não tinha pele cheia de photoshop,
Plastificada dentro de um envelope
Platinado embalado pós-operação.

Ela era bem normal sem a explosão
De sensualidade que vem à galope
Das deusas que aumentam o ibope
Dos programas bem como o tesão

Masculino, mas o meu foi ao pico
Com os peitinhos, o jeito impudico
Que ela mostrou só na hora exata.

Como musa televisiva alguma faria.
Sei que ela, a mulher do dia-a-dia
Se revelou uma amante e uma gata.

Francisco Libânio,
11/07/13, 12:08 PM
Postar um comentário