quinta-feira, 4 de julho de 2013

1100 - Soneto de números gêmeos

Talvez uma moto fosse melhor.

Dois uns e dois zeros, o numeral
Montado entre os dígitos iguais
Na linha infinita é só outro mais,
Um mero mais um irrisório cardinal

De quantidade, sim, descomunal.
Milhar com centena! Coisa demais,
Ainda se sonetos. Para mil recitais,
E para cem livros tenho material.

Dois uns e dois zeros, mil e cem!
Muito já fiz, para muito ainda tem
Pra essas duplas ficarem pra trás.

Mil e cem, um número coincidente
Que já estará distante brevemente
Se não me acabar antes esse gás.

Francisco Libânio,
04/07/13, 7:39 PM
Postar um comentário