quinta-feira, 18 de julho de 2013

1135 - Soneto amoroso-caozeiro

Você acreditou mesmo na música?

Ouve, se empolga com o Luan Santana
Quer dar o sol, quer dar o mar a agradar
O coração da Amada e o faz com o ar
De quem o faria facilmente. E se ufana:

Amo! Amo muito, demais, não há grana
Que pague meu amor. Tamanho do mar,
Para a Amada faço tudo. Tiver que amar
Mais, amarei. Ela é minha maior soberana!

A Amada acredita na intenção do rapaz,
Mas pede-lhe um beijo. Ele, o que faz?
Agora não que eu tô vendo meu futebol.

Pede pra comprar pão. Agora não posso!
E assim vai esse apaixonadíssimo moço
Que não dá um grão, mas promete o sol.

Francisco Libânio,
18/07/13, 6:57 PM

Postar um comentário