terça-feira, 25 de junho de 2013

1084 - Soneto empurrado

E eu revi toda minha posição.

Não que a moça lá fosse feia,
Mas não a achei interessante
E um amigo insistiu bastante
Me vendendo como a sereia

Dos sonhos, a deusa e meia
Que me fiz de acompanhante,
Conversamos, fomos adiante,
Um abraço, ela acertou a veia!

Que beijo! Que boca potente!
Descortinou-se entre a gente
Algo que dificilmente eu veria.

Ao amigo deixo um obrigado.
A insistência valeu o bocado
E a moça espantou a noite fria.

Francisco Libânio,
25/06/13, 9:32 PM
Postar um comentário