domingo, 23 de junho de 2013

1080 - Soneto esfriado e entardecido

Não sobe nada e pode ficar doente.

Agora que a tarde se foi e cai
A noite assim um bocado fria,
O soneto que por agora se fia
É bem difícil, a mente se retrai,

Uma ideia melhor logo se esvai
E deixa essa cabeça tão vazia
Que até a rima que fácil se afia
Complicadamente encaixa e sai.

Não tem mulher e não tem tara.
Qualquer desvio pior logo para
No frio. Até mesmo sacanagem,

Que acode se falta a inspiração,
Não rola. Dois pelados à ação
São alvos preferidos da friagem.

Francisco Libânio,
23/06/13, 6:54 PM
Postar um comentário