quarta-feira, 19 de junho de 2013

1073 - Soneto explicitado

Maravilhosa!

Quando ela tirou a roupa e ficou nua,
Num momento senti alguma vergonha.
Quase disse “Por favor, se componha”,
Mas amo quando ela se despe e atua

Como uma bailarina. Deixo que evolua
O festival. A nudez já sem a peçonha
Da luxúria era uma mulher mais risonha
Que a menos roupa muito mais flutua.

Quando ela veio mais se achegando
Sentia que se aproximava um bando,
Havia a maldade num olhar bondoso

E ao se deitar sobre mim, o tal amor
Travestiu-se de pecado, ficou maior
E sorveu bem cada gota desse gozo.

Francisco Libânio,
19/06/13, 12:57 PM
Postar um comentário