segunda-feira, 10 de junho de 2013

1052 - Soneto abonado

Tudo costa quente.

Você tem tudo, terras e grana,
Carros, posses e vai a festas
Do high-society com os testas
Do poder. Com a roda bacana

De amigos, você abala e afana
O alheio porque ela acha frestas
Na lei ou mostra logo manifestas
Opressões. Você jamais se dana.

Seu pai te cobre e logo se abafa
Seu excesso no pó ou na garrafa
E você sai como anjinho inocente.

Aí alguém bate ágil a sua carteira,
Você vai pra TV e tome choradeira.
“Justo eu, que levo o país pra frente?”

Francisco Libânio,
10/06/13, 12:32 PM
Postar um comentário