sexta-feira, 21 de junho de 2013

1076 - Soneto inocentemente útil

Entre mil, um que nada contra a maré. É o que vale a pena.

Opinião devia ser um direito universal,
Como expressá-la soaria obrigatório.
Mas só vejo o mister como decisório
Se feito consciente, afastado do mal,

Da ideia externa e meramente casual,
Do terrorismo feito em vão palavrório
Trás de uma bem-estar que é ilusório
Afastando-se do perigo que é factual.

Opinião é tesouro guardado com vida,
Mas muitos dão tão calorosa acolhida
A uma opinião que nem sua de fato é.

Basta ser dada com palavreado bonito,
Fazendo verdade o mais absurdo mito
E pronto! A massa ignara louva sua fé.

Francisco Libânio,
21/06/13, 8:17 PM
Postar um comentário