quinta-feira, 6 de junho de 2013

1042 - Soneto alijado

Não fala de mim... Chateei

Quero falar num soneto sobre morte,
Sobre o tenebroso fato que é morrer,
As consequências desse fim do ser,
Irreversível e misterioso passaporte...

O problema foi o inexplicado corte.
Sobre isso você não pode escrever!
Me outorgou carimbado num parecer
Quem que parecia e era o mais forte.

Quer escrever sobre mulher ou sexo;
Sobre fartura física e algo complexo,
Escreva e use toda a sua excelência.

Mas sobre morte, você não conhece
E nem quer. E após o dizer emudece
E acato o que diz a minha consciência.

Francisco Libânio,
05/06/13, 12:34 PM
Postar um comentário