sexta-feira, 7 de junho de 2013

1047 - Soneto abilolado

Argumento de quem conhece a gente nunca desobedece.

Porque escrever? Se não ganho dinheiro
Nem me fazem levar o mulherio pra cama
Mas se a inspiração, posto, que é chama,
Acabar, o poeta vai ficar o tempo inteiro

Coçando e procurando poesia em cheiro
De comida ruim e chamar puta de dama.
Talvez. Aqui a inspiração não se derrama
Caudalosa. Ela falta e vem um nevoeiro

Dos complicados. Aí pouca poesia rola
Então ouço o velho do Paulinho da Viola,
E seu marinho levando o barco devagar.

Aí, quando a coisa fica de boa outra vez,
Escrevo mandando à merda a escassez
E tudo que vir, mesmo ruim, deixo aflorar.

Francisco Libânio,
07/06/13, 8:53 PM
Postar um comentário