domingo, 24 de junho de 2012

0253 - Soneto Ferroviário


E os tempos em que havia trens,
Você se lembra? Nem nascido
Você era. Não imagina o perdido
Por você nesses ótimos vaivens

Calma lá, que nem eu dos vinténs
Sou da época. Tinham quase ido
Eles embora quando num esquecido
Trem viajei. Dá-me os parabéns?

Pois os repassarei ao maquinista
Se achar algum já que há tanto dista
O tempo em que sobre os trilhos

Se viajava. Hoje só metropolitano.
E burro é quem acredita no engano
Que o trem é atraso e empecilho!

Francisco Libânio,
24/06/12, 12:36 PM
Postar um comentário