quinta-feira, 21 de junho de 2012

0240 - Soneto beneficiário


Aquela Associação de madamas ricas
Resolveu que nem só de bons vinhos
E banquetes podia viver. Mesquinhos
Seriam seus corações de boas pelicas

Se não olhassem além de suas futricas,
E fofocas sobre elas, ou sobre linhos
Importados. Decidiram doar carinhos
Em forma de arroz, feijão e ovo. Canjicas

De sobremesa. Montaram na praça
Banca e se meteram cheias de graça
Fez-se fila pela boia até um dizer Epa!

Eu comendo isso e a tia lá no caviar?
Também quero! E ouviu Vá trabalhar!
Briga feia, mas eu me servi da xepa!

Francisco Libânio,
21/06/12, 9:04 PM
Postar um comentário