terça-feira, 5 de junho de 2012

0181 - Soneto para Sandra Rosa Madalena do Sidney Magal


Belíssimos cabelos negros os seus, hein, cigana?
Ao pô-los baile tamanha a loucura você desperta!
Corpo e coração esquentam e algo mais se liberta
E vira instinto toda reação que se deveria humana

Você com essa ginga só pode deixar mais sacana
Quem já é malicioso por natureza. Quem acoberta
A luxúria como se vestisse batina com dor aperta
As pernas para não mostrar quanto isso o atazana.

Já viu que quando você dança todo mundo se agita
Todos gritam sem nome! Todo mundo se excita!
Para que a festa incendeie seu bailado é o estopim

Fica a vontade de perder, enlouquecer e se entregar
Não só do Magal, mas de quem te vê linda a bailar
Também querendo ser seu princípio e ser seu fim.

Francisco Libânio,
05/06/12, 1:22 PM
Postar um comentário