segunda-feira, 4 de junho de 2012

0178 - Soneto para Lígia de Tom Jobim


Uma mulher que desperta tantas vontades,
De ir ao cinema, de passear em Ipanema,
De viver nos sonhos, de valer um poema,
Deve ser, sem dúvida, bela entre beldades,

Uma moça assim tão cheia de qualidades,
Pede que se use por ela todo estratagema
Para ser conquistada, merece a extrema
Loucura e amá-la é a maior das felicidades

Merece tudo, merece ser tratada por rainha,
Só não merece nem a bela canção do carinha
Que podendo ter isso simplesmente some

E nega: não quero, não gosto, nunca pensei,
Esqueci as bobagens, telefonei e desliguei
E agora fica feito bobo repetindo seu nome.

Francisco Libânio,
04/06/12, 10:28 PM
Postar um comentário