quarta-feira, 13 de junho de 2012

0212 - Soneto da vingança sancta


Depois de não pegar nem papel no vento
No doze de junho, decidiu: Chega de seca!
Ou Santo Antônio me arruma ou então neca
De paz pra ele. E seu primeiro movimento

Do dia treze foi pegar o rei do casamento
E colocá-lo ponta cabeça numa caneca
Para ameaçar: Ou me pinta uma xereca
Para ser minha ou firo um mandamento!

E Antônio, enquanto santo que é, anuiu,
Apareceu a mulher mais linda que já viu
Ficou felizaço! Melhor êxito não se logra!

Mas como tudo que é bom logo acaba
E vingança existe, a anja trazia uma diaba
A reboco com o doce apelido de sogra.

Francisco Libânio,
13/06/12, 5:39 PM
Postar um comentário