domingo, 3 de junho de 2012

0172 - Soneto para a Luíza de Tom Jobim


E eu que sou apenas um pobre amador,
Como escreverei um soneto para Luíza?
Como escrever de forma una e precisa
Um soneto que lhe valha o devido louvor?

Para tanto, é preciso ser bom trovador
Que à redonda lua e às estrelas cá divisa
Ao tempo que se lembra dela e improvisa
Versos sendo eterno aprendiz do amor

Eu peço à Luiza que me dê sua mão
E que se lembre que existe um coração
Debaixo dessa neve e que está a bater

Peço-te da tua um boca um doce beijo,
Sabes que teu desejo é meu desejo
Por mais que eu escreva pra te esquecer.

Francisco Libânio,
02/06/12, 1:10 PM
Postar um comentário